Quinta, 25 de Abril de 2019
   
Texto

CFAP habilita futuros soldados para conduzir veículos de emergência


Alunos-soldados recebem instruções repassadas pelo major Amâncio
 
1397, essa é a soma de mortos nas rodovias de Alagoas entre os anos de 2006 e 2017, segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT); durante este período o número de vítimas fatais cresceu 14% no estado. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) cerca de 1,25 milhão de pessoas morre anualmente decorrente de acidentes de trânsito no mundo, sendo o o trânsito brasileiro o quarto mais violento da América, atrás da Venezuela, República Dominicana e Belize. É com base nesses números preocupantes e visando a preparação dos agentes de segurança da corporação que o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), desde o ano de 2010, trabalha na capacitação da direção defensiva e inseriu a disciplina de condução de viatura policial no Curso de Formação de Praças (CFP).
 
A matéria está na matriz curricular do CFP desde o ano de 2016, com carga horária de 66 horas-aula, dividida entre instruções teóricas e práticas. O conteúdo programático dispõe de quatro módulos: direção defensiva, legislação de trânsito, relações interpessoais e meio ambiente, e, convívio social. Na turma atual foi incluído ainda material de estudos por meio da plataforma digital de Educação a Distância (EaD) da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).
 

Capacitação em direção defensiva
 
Desde o ano de 2010, a Diretoria de Ensino da PM-AL orientou a capacitação em direção defensiva para policiais já em atividade nas ruas dos municípios alagoanos. Essa diretriz foi aperfeiçoada e inserida no projeto pedagógico do CFP desde as turmas de 2016, ou seja, o ensino para a condução de veículos de emergência chegou na base da formação.
 

Instruções foram repassadas no CFAP e também no Aeroclube de Alagoas, no Santa Lúcia
 
Segundo o capitão Daniel Souza, um dos instrutores da disciplina no CFAP, durante as aulas de direção são repassadas ainda noções de primeiros socorros como também orientações para o tratamento e o bom convívio com outras pessoas no trânsito. “Nós trabalhamos com três tipos de direção: a defensiva (a base de tudo!), a ofensiva e a evasiva, esta última é realizada em situação de risco extremo, como manobras em casos emergenciais. O aluno, desde momento que entra na sala de aula, trabalha os conceitos de direção defensiva e legislação de trânsito e os estimulamos a fazer paralelo com as ocorrências que acontecem na atividade operacional. Durante as instruções são mostradas a eles a quantidade de acidentes que as viaturas se envolvem e a realidade que eles encontrarão”, explicou o capitão.
 
Os ensinamentos em direção defensiva buscam a prevenção e a diminuição dos acidentes de trânsito. Um princípio básico que os alunos aprendem é a importância da utilização do cinto de segurança por todos integrantes das guarnições motorizadas. “Ainda persiste uma ideia antiga que o policial não deve usar o cinto devido a situações de emboscadas. Porém, a doutrina de procedimentos de policiamento ostensivo geral nos ensina que a surpresa tem que ser da polícia para o cidadão infrator e não o inverso. Nos deslocamentos às ocorrências, a guarnição deve utilizá-lo e ao se aproximar da situação, dependendo do grau de risco, os integrantes podem tirar o equipamento para que não haja nenhuma dificuldade no desembarque”, completou o instrutor.
 

Vícios de condutores e acidentes envolvendo viaturas
 
Não são raras as notícias de acidentes envolvendo viaturas policiais. No ano passado, por exemplo, um caso envolveu a guarnição do Pelotão de Operações Policiais Especiais (Pelopes) de Joaquim Gomes, vitimando três policiais militares, na BR-101 em Flexeiras, cidade localizada na Zona da Mata, a 62 quilômetros de Maceió, Capital alagoana. Outra ocorrência também levou à morte um policial quando a equipe se deslocava para uma operação. O fato ocorreu em 2015, em um trecho da BR-136, no município de Atalaia, no Leste do estado.
 

Futuros policiais militares durante aula prática de direção
 
Por conta dessa problemática, os futuros soldados da PM-AL veem em detalhes as Normas Gerais de Circulação e Conduta, prescritas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), voltadas à condução de viatura policial. De acordo com o major Marcelo Amâncio, instrutor da mesma disciplina no CFAP, um grande causador de riscos de acidentes são os vícios que os condutores adquirem ao longo do tempo, por isso um dos objetivos da matéria é trabalhar para tirá-los. “Nós repassamos as técnicas e táticas com a viatura, como embarque e desembarque, controle de direção e de volante. Observamos primeiro as possíveis manias deles para depois corrigi-las ao longo das instruções”, disse o major.
 
O aluno-soldado Nivaldo Neto, turma CFP 2018, que já se envolveu em dois acidentes de trânsito antes do curso, sabe da responsabilidade diante do veículo. “Hoje trazendo para a realidade da atividade policial, nós conseguimos agregar situações que precisamos agir como policiais e ao mesmo tempo manter o cuidado que todo condutor deve ter. Aprendi que agilidade não é sinônimo de imprudência. O motorista de viaturas deve ser astuto, mas sempre dirigir com cautela e discernimento, dentro das técnicas aprendidas no decorrer da disciplina”, acrescentou o militar.
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter

ATENÇÃO

Campanha PMAL

CONVENIO

PESQUISE NO SITE

ACESSO À INFORMAÇÃO

Banner

INFORMATIVOS

Banner
Banner
Banner

DISQUE DENÚNCIA

Banner

LINK CNCG

ALAGOAS EM DADOS E INFORMAÇÕES

Banner