Notícia

POLÍCIA MILITAR

Polícia Militar do Estado de Alagoas
Terça, 12 Novembro 2019 11:01
FEIRA DE LIVROS

Patrulha Maria da Penha participa da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Whatsapp
  • Google +
Militares participaram de mesa redonda e lançamento de livro Militares participaram de mesa redonda e lançamento de livro

Nesse domingo (10), a Patrulha Maria da Penha marcou presença na 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas 2019, que é o maior evento literário do estado e esse ano aconteceu nas ruas e prédios históricos do bairro do Jaraguá.

Participando inicialmente de uma mesa redonda com o tema: “13 anos da Lei Maria da Penha e as Maria que não calam: O perfil da violência contra a mulher em Alagoas”. Momento em que foram debatidos os avanços e dificuldades para a efetivação da defesa das mulheres vítimas de violência doméstica no Brasil.

A ideia da discussão dessa temática durante a Bienal foi da professora Andrea Pacheco, do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), que é coordenadora do  Núcleo de Estudos Frida Kahlo. Além dela, também participaram do debate a advogada Paula Lopes, coordenadora do Centro de Defesa dos Direitos das Mulhereses (CDDM), e a major Danielli Assunção, Comandante da Patrulha Maria da Penha, e representantes do Movimento Mulheres Camponesas.

E em seguida a Patrulha prestigiou o lançamento do livro: Mulheres, feminismo e interseccionalidade nas ciências criminais: escritos em homenagem a Sueli Carneiro, o qual é fruto do III Encontro Nacional das Mulheres nas Ciências Criminais que também a Patrulha Maria da Penha fez parte e teve a sua criação e trabalho desenvolvido relatado em um dos capítulos da obra.

Para a comandante da Patrulha Maria da Penha, major Danielli Assunção, “a presença da Polícia Militar de Alagoas, através da Patrulha Maria da Penha, é de extrema relevância para explicar a sociedade o papel da corporação no combate da violência doméstica e familiar contra a mulher e também mostrar aquela mulher que sofre calada que existe uma saída e uma rede de proteção e acolhimento para que ela possa denunciar seu agressor.