Notícia

POLÍCIA MILITAR

Polícia Militar do Estado de Alagoas
Terça, 19 Abril 2022 15:43
RELIGIOSIDADE

Polícia Militar presta homenagens ao padroeiro São Jorge na próxima sexta (22)

Corporação retoma procissão pelo Centro de Maceió e encerra comemorações com Missa na Catedral

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Whatsapp
  • Google +
Tradicional procissão em homenagem ao Santo pelas ruas do Centro de Maceió será retomada Tradicional procissão em homenagem ao Santo pelas ruas do Centro de Maceió será retomada

A Polícia Militar de Alagoas celebra, na próxima sexta-feira (22), a tradicional festa de São Jorge, padroeiro da Corporação. As homenagens serão iniciadas com o retorno da procissão pelas ruas do Centro de Maceió, a partir das 07h30. O cortejo seguirá da Capela em honra ao Santo Guerreiro, localizada ao lado do Quartel do Comando Geral (CCG), até a Catedral Metropolitana da Capital, onde será celebrada a Missa.

O festejo faz parte das tradições da PM desde 1954, com a fundação da Capela batizada com o nome do Santo. Todos os anos, militares, familiares e devotos do santo saem pelas ruas de Maceió entoando hinos e louvores a Deus pela intercessão do grande mártir cristão. A Banda da PM acompanhará a procissão. Por causa da pandemia, desde 2020 o cortejo não é realizado como medida de proteção contra a Covid-19. O dia de São Jorge é celebrado pela Igreja Católica todos os anos em 23 de abril, no entanto, a Corporação vai antecipar as comemorações em um dia.

19 04 2022 sãojorge1

 

Histórico*

São Jorge nasceu em 275, na antiga região chamada Capadócia, que atualmente é parte da Turquia. O pai de Jorge era militar e faleceu numa batalha. Ao atingir a adolescência, Jorge seguiu a carreira de muitos jovens da época e entrou para a carreira das armas, pois tinha um temperamento naturalmente combativo. Tanto que logo ele se tornou capitão do exército romano. Jorge tinha grandes habilidades com as armas e muita dedicação.

Quando sua mãe faleceu, Jorge recebeu a herança que lhe cabia e foi enviado para um nível mais alto ainda: a corte do imperador. Lá, porém, quando começou a ver a crueldade com que os cristãos eram tratados pelo império romano que ele servia, mudou seu pensamento. Ele já conhecia o cristianismo por causa da influência de sua mãe e da Igreja de Israel. Então, ele deu um primeiro passo de fé: distribuiu todos os seus bens aos pobres. Mesmo sendo membro do alto escalão do exército, ele quis a verdadeira salvação prometida pelo Evangelho que ele já conhecia.

O Imperador, furioso ao ver o cristianismo infiltrado no império, tentou obrigá-lo a desistir da fé cristã. Por isso, enviou-o a sessões de torturas violentas e terríveis. Assim, depois de cada tortura, Jorge era levado de volta ao imperador. Este lhe perguntava se, depois da tortura, abandonaria a fé cristã. Jorge, porém, reafirmava sua fé, cada vez com mais coragem. Muitos romanos ao presenciarem estes fatos, tomaram as dores de Jorge, até mesmo a própria esposa do imperador. Aliás, mais tarde, ela se converteu à fé em Jesus Cristo. Por fim, Diocleciano, vendo que não conseguiria dissuadir Jorge de sua fé, mandou que ele fosse degolado. Era o dia 23 de abril do ano 303.

*Com informações do site santo.cancaonova.com